Últimas

www.
Home / Notícias / Artigos de Opinião / O Grande Reset: O mundo rumo a economia circular
O Grande Reset: O mundo rumo a economia circular

O Grande Reset: O mundo rumo a economia circular

*Por Marcelo Souza

Não há dúvidas que o ano de 2020 marcará a humanidade, em um futuro próximo, veremos os livros de histórias falando sobre o mundo antes e depois da Covid-19. No meio à abundância de incertezas, é muito difícil prever o que seria o novo normal, mas com base nos fatos, podemos afirmar que em 2021, veremos um mundo diferente.

Sob os holofotes desse cenário, o Fórum Econômico Mundial, fundado pelo professor Klaus Schwab, possui como missão o compromisso com a melhoria do estado do mundo. Fundado em 1971 para discutir práticas de gestão global, o Fórum vem desempenhando um grande papel entre as lideranças mundiais. O professor Schwab nos brindou, por exemplo, com a terminologia Indústria 4.0 em 2010, momento em que falou sobre as futuras transformações que o mundo viveria. Dessa vez, Schwab nos alerta que, apesar do alto preço pago com a pandemia que nos assola, pode ser a oportunidade que o mundo precisa para repensar e corrigir muitas coisas, uma espécie de segunda chance.

Nos últimos 200 anos, na chamada era das revoluções, o capitalismo produziu muita riqueza. Quase triplicou a expectativa de vida, erradicou muitas doenças que dizimaram milhares de pessoas, nos levou à lua, desenvolveu a medicina, engenharia, os meios digitais, psicologia, a ciência como um todo, mas não fomos capazes de equilibrar e dividir toda essa riqueza de forma a promover o bem comum. Assim, vemos que o capitalismo é ótimo para produzir e péssimo para dividir, gerando uma desigualdade imensa, dividindo o mundo entre “poucos com muito” e “muitos com pouco”.

Além da geração mal distribuída de riqueza, quando observamos o dia de sobrecarga da Terra, fica bastante clara a exploração dos recursos naturais sem precedentes. Trata-se da data em que consumimos todos os recursos naturais disponíveis para o ano e, a cada ano que passa, batemos novos recordes. Para exemplificar, se comparado com uma conta bancária, seria o dia que se entra no vermelho. Em 2019, a data Brasil foi 31 de julho e, nos EUA, 15 de março, ou seja, utilizamos os recursos naturais disponíveis para o ano de 2019 inteiro antes do meio do ano. Para que se possa ter parâmetro de comparação, o dia de sobrecarga da terra na década de 70 era 29 de dezembro.

————————————————————————————————————————————————————

VEJA: 2021 e as análises financeiras das empresas em novos cenários

————————————————————————————————————————————————————

Para Schwab a Covid-19 evidenciou muitas das vulnerabilidades da humanidade, mas mostrou que o mundo pode agir rápido e junto por um bem maior. Para o professor, a palavra reset é a primeira que vem em mente quando se fala do momento, pois agora temos que pensar como estruturar, como projetar e viver era pós Covid-19, uma coisa é certa, não podemos voltar ao velho normal, temos que encarar o que vivemos em 2020 e aproveitar para fazer como nossos pais e avós fizeram após a Segunda Guerra Mundial para realmente refletir sobre o que deu errado e o que poderíamos fazer melhor.

Com a atual e impactante transformação ritmada pela quarta revolução industrial, uma renovação completa na economia, política e sociedade já vinha ocorrendo. A pandemia com certeza catalisou isso e veremos um mundo diferente, com novos valores e consecutivamente, mercados deixarão de existir e outros surgirão. Assim, essa reinicialização do mundo, segundo executivos do Fórum Econômico Mundial deverá ser pautada em três prioridades centrais.

Primeiro: Tornar o mundo mais resiliente para eventuais novas surpresas, cisnes negros, como são chamados, talvez diferentes tipos de vírus.

Segundo: Tornar o mundo mais inclusivo, mais justo e equilibrado, atingimos níveis insustentáveis de pessoas em situação de vulnerabilidade.

Terceiro: Tornar o mundo muito mais verde, colocando todas as energias na descarbonização e preservação de recursos para evitar uma catástrofe ainda maior.

Dessa maneira podemos esperar para os próximos anos uma agenda muito mais pautada em engenharia social e economia circular. As empresas precisam olhar atentamente para esses pontos, pois o pensamento não será mais de lucro como fator principal e sim do impacto que a organização terá na sociedade que está inserida.

*Marcelo Souza é CEO da Indústria Fox , pioneira em indústrias de reciclagem, refurbished de eletrônicos e plataformas digitais da economia circular.

 

 

Por Andressa Guimarães

Imagem:

 

 

Somos o Grupo Multimídia, editora e agência de publicidade especializada em conteúdos da cadeia produtiva da madeira e móveis, desde 1998. Envie informações, fotos, vídeos, novidades, lançamentos, denúncias e reclamações para nossa equipe através do e-mail redacao@grupomultimidia.com.br ou entre em contato pelo (41) 3235.5015.

About Mega Moveleiros

Avatar
Portal de notícias e negócios para marcenarias, indÚstrias e revendas do setor moveleiro no Brasil.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Scroll To Top