Últimas

www.
Home / Notícias / Empresas / FIOS DA MODA: novo relatório destaca contribuição da Indústria Têxtil para a crise climática
FIOS DA MODA: novo relatório destaca contribuição da Indústria Têxtil para a crise climática

FIOS DA MODA: novo relatório destaca contribuição da Indústria Têxtil para a crise climática

Responsável por 4% das emissões globais, a pesquisa Fios da Moda aponta alternativas de menor impacto e possibilidades de retenção de carbono em produções alternativas

O novo relatório do Modefica, em parceria com o Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (FGVces) e a consultoria para sustentabilidade Regenerate Fashion, com financiamento da Laudes Foundation, aponta para os impactos socioambientais da rede produtiva da indústria da moda no Brasil. Lançado na última quarta-feira (10/02), Fios da Moda: Perspectiva Sistêmica para Circularidade traz dados inéditos sobre as emissões de gases do efeito estufa (GEEs) das fibras mais utilizadas no setor da moda: o algodão, o poliéster e a viscose. O estudo também traça alternativas para diminuir tais impactos, como a logística reversa, maior transparência dos atores da indústria e o uso da energia limpa.

A vontade de produzir um relatório sobre têxteis está ligada à urgência da transformação que precisamos fazer acontecer na próxima década se quisermos garantir condições de vida minimamente estáveis na Terra frente a um cenário climático em profunda transformação. As análises quantitativas e qualitativas encontradas no estudo demonstram os impactos das operações upstreams – as atividades do início da rede produtiva, como as emissões de GEEs na produção do poliéster virgem, relacionadas à extração e refino do petróleo e aponta que o uso do material reciclado pode diminuir as emissões em em 76% na reciclagem mecânica, 54% na reciclagem semimecânica, 36% – 24% na reciclagem química do PET. 

Outro destaque está relacionado à viscose, resultado do processamento da celulose solúvel, a produção da fibra emite 50% mais GEEs do que a produção do algodão. Porém, a produção deste último, principalmente pelo desmatamento e uso intensivo de agrotóxicos, também se relaciona com as alterações climáticas. Por outro lado, o relatório Fios da Moda: Perspectiva Sistêmica para Circularidade também mostra que a produção de algodão orgânico representa uma redução de 58% nas emissões de GEE se comparado ao algodão tradicional.

O estudo também elucida ações que possibilitam tornar essa indústria mais circular, evitando que os resíduos têxteis terminem em aterros e lixões. A logística reversa, a transparência, a criação de leis para reciclagem de têxteis e a substituição da matriz energética para energia limpa são algumas das opções exploradas.

Confira também o vídeo da campanha

“A vontade de produzir um relatório sobre têxteis está ligada à urgência da transformação que precisamos fazer acontecer na próxima década se quisermos garantir condições de vida minimamente estáveis na Terra frente a um cenário climático em profunda transformação”, ressalta Marina Colerato, coordenadora do projeto.

DADOS EM DESTAQUE:

  • No Brasil, o algodão é a quarta cultura que mais consome agrotóxicos, com destaque para o glifosato, que corresponde a mais da metade do volume de agrotóxicos comercializados no país;
  • O equivalente a cerca de 16 caminhões de lixo têxtil é descartado por dia só na região do Brás, em São Paulo;
  • O algodão é responsável por aproximadamente 10% do volume total de pesticidas utilizados em território nacional;
  • As culturas de eucalipto (origem da viscose) e algodão utilizam de 7 a 10 tipos dos agrotóxicos mais vendidos no Brasil, respectivamente;
  • Enquanto uma fazenda de 500 hectares de agricultura familiar oferece cerca de 200 vagas de emprego, a de eucaliptocultura oferta apenas três;
  • A etapa de produção de matéria-prima é o principal ponto crítico no impacto à biodiversidade e ocupação do solo pela cotonicultura, sendo responsável por 99% do impacto total;
  • Em relação ao cultivo de algodão convencional, o cultivo de algodão orgânico pode reduzir as emissões de GEE em 58%;
  • 56,8% das pessoas estariam dispostas a reciclar suas peças de roupas se soubessem que elas, de fato, estão sendo recicladas enquanto 26,3% se sentiram motivadas por terem um ponto de coleta por perto. Ao mesmo tempo, 49.9% das pessoas nunca ouviram falar sobre reciclagem de roupas no Brasil;
  • A produção agroecológica de algodão tem impacto positivo sobretudo na qualidade de vida das mulheres camponesas e na soberania alimentar.

————————————————————————————————————————————————————

VEJA: Décor jovial e bem marcado, integração e sofisticação na medida certa definem loft de 40 m² assinado pelas profissionais da Meet Arquitetura

————————————————————————————————————————————————————

Acesso ao relatório: https://modefi.co/relatorio-fios-da-moda

Vídeo: http://modefi.co/filme-fios-da-moda

Sobre o Modefica

O Modefica é uma mídia independente criada em 2016, fundada por Marina Colerato, com objetivo de fomentar o debate e o entendimento sobre sustentabilidade de forma ampla e radical, usando o jornalismo como ferramenta de transformação. Produz reportagens, matérias, opinativos e pesquisas sobre questões ambientais, climáticas e sociais, além de podcasts e conteúdo multimídia.

Sobre a Regenerate Fashion

Regenerate Fashion LLC é uma consultoria que auxilia empresas de moda e produtores têxteis globais na integração de práticas sustentáveis. Suas principais áreas de trabalho incluem avaliação de sustentabilidade, criação de estratégias para produtos e negócios, treinamento e capacitação, além de avaliação de têxteis de baixo impacto. A consultoria usa os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS) como princípios orientadores para fornecer uma abordagem integral em seus serviços, e apresentou seu trabalho nos principais eventos do setor, como as conferências NEONYT, Copenhagen Fashion Summit, Textile Exchange Conference, entre outros.

Sobre o FGVces 

O Centro de Estudos em Sustentabilidade (FGVces) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP) é um espaço aberto de estudo, aprendizado, reflexão, inovação e de produção de conhecimento, composto por pessoas de formação multidisciplinar, engajadas e comprometidas, e com genuína vontade de transformar a sociedade. O FGVces trabalha no desenvolvimento de estratégias, políticas e ferramentas de gestão pública e empresarial para a sustentabilidade, no âmbito local, nacional e internacional. Seus programas são orientados por quatro linhas de atuação: (i) formação; (ii) pesquisa e produção de conhecimento; (iii) articulação e intercâmbio; e (iv) mobilização e comunicação.

Sobre a Laudes Foundation

A Laudes Foundation é uma fundação independente criada em resposta à demanda global urgente de acelerar a transição para uma economia global positiva para o clima e socialmente inclusiva. Para endereçar as crises do colapso climático e da desigualdade social, a Laudes apoia ações que inspiram e desafiam a indústria a utilizar seu poder para o bem. Como parte da empresa familiar Brenninkmeijer, tem como base o aprendizado de seis gerações nas áreas de empreendedorismo e investimento social privado. A Laudes Foundation dá continuidade à parte do trabalho desenvolvido pelo Instituto C&A e segue trabalhando de forma colaborativa para influenciar os fluxos de capital financeiro e transformar as indústrias da moda e da construção civil.

 

 

 

Por Instituto Modefica

Imagem: Divulgação

 

 

Somos o Grupo Multimídia, editora e agência de publicidade especializada em conteúdos da cadeia produtiva da madeira e móveis, desde 1998. Envie informações, fotos, vídeos, novidades, lançamentos, denúncias e reclamações para nossa equipe através do e-mail redacao@grupomultimidia.com.br ou entre em contato pelo (41) 3235.5015.

About Mega Moveleiros

Avatar
Portal de notícias e negócios para marcenarias, indÚstrias e revendas do setor moveleiro no Brasil.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Scroll To Top